30 de Setembro de 2017 Marcos Eugênio
Imprimir    E-mail

Radialista elogia serviços oferecidos pelo Hospital Regional e rebate colega

 

O radialista Paulo Afonso Morais Nascimento, 59 anos, residente no Nova Brasília, em Patos, desmentiu comentários feitos em uma emissora de rádio desta cidade, de que o Hospital Regional de Patos Dep. Janduhy Carneiro, estaria sucateado, onde o apresentador do referido meio de comunicação chegou ao absurdo de dizer que o Janduhy Carneiro era um verdadeiro matadouro, numa forma explícita de querer jogar a sociedade contra essa unidade de saúde de média e alta complexidade.

 

Paulo, cronista esportivo com atuação na Rádio Morada do Sol, se disse incomodado com que ouviu e refutou que nada daquilo condizia com a verdade, com o cotidiano dos serviços hospitalares oferecidos pelo HRP, já que ele, no período em que esteve internado, quase quinze dias, não presenciou nada que justificasse tal denúncia.

 

Ele foi vítima de acidente de moto, junto com sua esposa, Gerusa Gonçalves de Medeiros, na estrada que liga Patos a São José de Espinharas, no dia 15 deste mês, após perder o controle do veículo em uma curva e foi socorrido para o Regional de Patos.

 

Ambos passaram por diversos exames prescritos pela equipe médica, que comprovaram que ele teve cortes e uma fratura de face, osso zigomático esquerdo, já fez cirurgia e recebeu alta ontem, quinta-feira 28. Sua esposa teve duas fraturas, um delas exposta, de  tíbia, cirurgia já feita, além de outra no fêmur, procedimento cirúrgico programado para esta sexta-feira 29.

 

Paulo elogiou o tratamento que está recebendo com sua esposa no Regional. “Fizemos diversos exames, não faltam medicamentos, pessoal muito atensioso, três refeições por dia, pessoal da higienização sempre atento a tudo, então não entendo por que um comunicador usa os microfones para inverdades”, desabafou.

 

O Hospital Regional de Patos Dep. Janduhy Carneiro foi fundado há 64 anos, realiza uma média mensal de 5 mil atendimentos ambulatoriais, 220 cirurgias, sendo 160 ortopédicas, a maioria em vítimas de acidentes de trânsito envolvendo motociclistas.

 

“A gente sabe que problemas sempre existiram e irão existir em todas as unidades de saúde, sejam da atenção primária, da média e alta complexidade da rede pública. Não há como fugir disso. Porém há um compromisso sério de seguirmos todos os protocolos exigidos. Os funcionários, que estão sempre atualizando conhecimentos, são responsáveis e dedicados no que fazem. Inclusive temos uma ouvidoria que escuta a população com suas queixas, dúvidas, sugestões e elogios daqueles que a procuram e também com pesquisas de satisfação”, comentou Liliane Sena, diretora do Janduhy Carneiro.

 

 

 

Marcos Eugênio

 



« Voltar