13 de Setembro de 2017 Marcos Eugênio
Imprimir    E-mail

Relação estremecida: Servidores descontentes com PL ameaçam paralizar serviços

 

A relação entre a administração municipal de Patos e os servidores não anda nada bem. Os nervos dos funcionários públicos andam à flor da pele, especialmente depois que o prefeito Dinaldinho encaminhou à Câmara Projeto de Lei que trata da reestruturação do quadro de servidores efetivos do município.

 

A referida propositura do Executivo, que está no foco do debate no Legislativo, segundo o Sinfemp, revoga 32 leis que tratam dos direitos tralhistas, aprovadas entre 1973 a 2016. Entre as mudanças propostas por Dinaldinho podemos citar a volta da jornada de 40 horas semanais, hoje o regime é de seis horas corridas.

 

Conhecendo bem o poder de mobilização do Sinfemp, o prefeito Dinaldinho terá que dialogar bastante com o Sindicato. Caso contrário seu governo terá muitos problemas, como paralizações, o que acarretará sérios prejuízos para quem depende dos serviços municipais.

 

Os servidores lutam também pela revisão salarial de 20%; implantação das progressões horizontais e verticais e pelo pagamento do 1/3 de férias agora, dentre outros pleitos debatidos em assembleia.

 

A justificativa do prefeito de Patos em relação ao projeto é que,  trata-se de um projeto de Lei com a finalidade de regulamentar direitos dos servidores públicos municipais e viabilizar a realização de concurso público com cerca de 500 vagas imediatas, em observância ao Termo de Ajuste de Conduta firmado junto ao Ministério Público ainda na gestão de Lenildo Morais. Afirma que ele não revoga leis ou direitos dos servidores, pelo contrário, regulamenta direitos já previstos e regulariza situação de fato existente no Município que, por falta de regulamentação prejudicaria os próprios servidores e, acima de tudo, o interesse público.

 

Os servidores já estão se manifestando e ganhando volume nas ruas na luta por seus direitos e pedindo apoio da população. Acredito que Dinaldo deverá sentar com as categorias para chegar a um acordo, o quanto antes.

 

Marcos Eugênio



« Voltar