18 de Setembro de 2017
Imprimir    E-mail

Câmpus de Lagoa Seca ganha estação meteorológica para auxiliar atividades de pesquisa e extensão

 

O Câmpus II da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), instalado na cidade de Lagoa Seca, ganhou uma ferramenta fundamental para monitorar as condições meteorológicas na lavoura, ajudar agricultores a tomarem decisões corretas acerca das melhores situações para plantio e qualificar a formação de estudantes do Ensino Superior e dos cursos técnicos oferecidos pela Instituição. Acaba de entrar em funcionamento a estação meteorológica total, equipamento que permite a coleta diária de dados referentes às diversas variáveis atmosféricas, envolvendo informações acerca do ar, da chuva, do vento e do solo.

 

O equipamento, que foi adquirido a partir de iniciativa da Pró-Reitoria de Extensão (PROEX), através de recursos oriundos do Ministério da Educação (MEC) no valor de R$ 40 mil, está habilitado a oferecer informações sobre volume de chuvas, evaporação da água, radiação solar, umidade do solo, umidade do ar, temperatura do ar, temperatura e condutividade do solo e velocidade do vento. Os dados coletados pelo aparelho são transmitidos através de mensagens para uma plataforma online que armazena e organiza as informações para consultas posteriores. O professor do Câmpus II, Leoberto Formiga, afirmou que a chegada dessa estação foi importante para o desenvolvimento de uma nova fonte de saber.

 

“A partir do funcionamento dessa estação meteorológica, vamos começar a oferecer cursos e oficinas para qualificar nossos alunos, bem como para os agricultores da região. Estamos em processo de criação de um projeto de extensão que oferecerá conhecimento prático no que diz respeito a utilização dos dados coletados pelo equipamento e no que eles podem ajudar na orientação sobre quais os métodos mais eficazes para o desenvolvimento da agricultura na região, já que a partir dessas informações saberemos a quantidade de água presente no solo, quanto é necessário adicionar na lavoura, o quanto choveu, a média de temperatura do ar e do solo e tantas outras informações que são importantes para o trabalho agrícola”, explicou o professor.

 

O Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA) da UEPB oferece o curso superior de Agroecologia, além dos cursos técnicos de Agropecuária e Agroindústria. Com a utilização da estação meteorológica e a plataforma digital de armazenamento de dados, tanto os alunos como os agricultores da região ganharão um aliado no que se refere ao planejamento e execução das técnicas referentes à agricultura familiar, principal fonte de renda da zona rural da região. “Essa estação meteorológica também conta com sensores no solo que vão auxiliar a coleta de dados. Essas informações ficam armazenadas e podem ser acessadas a partir do treinamento e qualificação que vamos oferecer tanto para os alunos como também para os agricultores”, disse Leoberto.

 

A estação meteorológica do CCAA é o equipamento mais moderno disponível no mercado, no que diz respeito às tecnologias que auxiliam na coleta da dados acerca das condições do ar, chuva, solo e vento. O seu sistema de alimentação é autônomo, através de um painel solar com bateria e regulador de carga, que funciona até 15 dias sem energia vinda do Sol. Também possui memória não volátil, ou seja, os dados não se perdem mesmo havendo falha de energia.

 

Sensores das estações meteorológicas

 

Anemômetro: instrumento que mede a velocidade e a direção do vento.

Piranômetro: registra a radiação solar global.

Sensor de temperatura e umidade: geralmente são termistores que medem a temperatura e a umidade do ar. Esse sensor fica no abrigo meteorológico para não ser danificado.

Pluviômetro: mede a precipitação e o tipo de pluviômetro mais utilizado é o de báscula.



« Voltar